quinta-feira, 14 de junho de 2007

DITADURA, EXÍLIO E SUCESSO. OSCAR NIEMEYER


Oscar Ribeiro de Almeida de Niemeyer Soares.

A posição esquerdista de Niemeyer lhe custará caro nos anos de uma ditadura militar do Brasil ligada com a política de direita norte-americana. A revista do qual é diretor, Módulo, tem a sede destruída, seus projetos começam a ser misteriosamente recusados e clientes a desaparecer.

Em 1965, duzentos professores, entre eles Niemeyer, pedem demissão da Universidade de Brasília, em protesto contra a política universitária. No mesmo ano viaja para França, para uma exposição sobre sua obra no Museu do Louvre.

No ano seguinte, impedido de trabalhar no Brasil, muda-se para Paris. Começa aí uma nova fase de sua vida e obra. Abre um escritório nos Champs-Élysées, e tem clientes em diversos países, em especial na Argélia, onde desenha a Universidade de Constantine e, em 1970, a mesquita de Argel. Na França, cria a sede do Partido Comunista Francês, e na Itália a da Editora Mondadori.

2 comentários:

Gabriela disse...

Oi Henrique, tudo bom? O meu nome é Gabriela. Entrei sem querer no seu blog porque coloquei no google "Niemeyer exílio" e o seu apareceu primeiro. Gosti muito do que li.É que estou no último ano de jornalismo da PUC-Rio e estou realizando um trabalho em grupo sobre o exílio de Niemeyer. O trabalho é para quinta agora só que estamos com muita dificuldade em encontrarmos entrevistados para falarem do assunto. Você pode nos ajudar ou conhece alguém que possa falar sobre o tema?

Aguardo resposta.

Muito obrigada,

O meu e-mail é gabiduarte@uol.com.br

Henrique Marinho disse...

Oi Gabriela,
Obrigado pela visita, mas infelizmente não posso ajudá-la. A idéia do blog é apenas recolher algum material interessante sobre personalidades. Acho bem provável que vc. encontre alguma matéria em exilados políticos brasileiros, ditadura, AI-5, etc...
Desde já, boa sorte.